quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Transformação com Melvin Santhana

Como a poesia surgiu na sua vida?
A poesia surgiu em minha vida no período escolar (ensino médio);

Como você era antes da poesia?
Incentivado pelos meus familiares sempre tive uma boa relação com as diversas formas de narrativa, entretanto, na atividade como compositor, a poesia passou a fazer sentido na minha construção contextual artística;

Quem você é depois dela?
Um ser artístico/político/lúdico.

POESIA

Nascimento 
"A escravidão virou inservidão salarial
Da saudade chão, brotou um banzo'' transcontinental"

Nasce mais 1, nascem 2, nascem 3
nasce em todo lugar, nasce um príncipe, um rei
nasce o escravo da lei
nasce a mãe, nasce a filha de quem não nasceu pra chorar
nasce o pai
nasce o filho de santo gerado num ventre livre
que descansa e desperta quando nasce o sol
nasce o espirito santo pra salvar nossa pele
nasce a chaga da plebe, é mais um no futebol
pra tentar, prosseguir, despontar, se iludir
nem sonhar, desistir nem pensar
Refrão
Nascimento e dor, o grito chama a alma
pra realidade crua desse corpo nu
é muito louco, é mó sufoco
viver um dia após o outro nesse mundo cão
É difícil pra gente que se divide
de viver num país que a gente nunca foi livre
quando o livro da gente não vai pra escola
uma história recente, que a minha alma ainda chora
me ignora, eu sei que me ignora
a memória da gente vai se encontrar outra hora
é no espelho, é na roupa, é no seu neto, senhora
Na feijoada da quarta ao cafezinho na mesa
o caldo de cana gelado com pastel da feira
é na batida pulsante, do rock, do funk
no samba do chico, no tom do João
eu quero que você cante pra mim
dance pra mim
veja o pandeiro imaginário rodando
é assim que a gente se sente é o preto
é o ausente, é a ausência de cor
é o preto na carne, é a dor
Refrão
Nascimento e dor, o grito chama a alma
pra realidade crua desse corpo nu
é muito louco, é mo sufoco
viver um dia após o outro nesse mundo cão

"Ao olhar do tira e a dama que admira, to na mira sempre
como é curioso"
Bastardos inglórios, o cheiro de terra, menores na frente e
atrás um monte de velas
pretas e pretos nas telas, bicas e becos, favelas
que nascem nas pistas e morrem nos fundos das celas

Nenhum comentário:

Postar um comentário