segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Transformação com Sergio Vaz

+ Como a poesia surgiu na sua vida?
Sempre fui leitor, mas não gostava de poesia porque achava poesia uma linguagem difícil, mas através da música MPB descobri as metáforas e vi que poesia também era uma arma de defesa e ataque, ideológicamente falando. Descobri e agrças ao Hip Hop e ao livro Quarto de despejo de Carolina de Jesus poderia falar da nosa quebrada.

+ Como você era antes da poesia?
Sempre gostei de ler, influenciado pelo meu pai, mas como todo garoto de periferia queria ser jogador de futebol. Sempre fui ligado as artes, mas sempre como consumidor. Sou formado nos bailes de black music nos anos 70 e início dos anos 80. Bailinhos e tal.

+ Quem você é depois dela?
Como pessoa me sinto melhor, mas útil. Sou mais um tentando colocar o polegar na história através da poesia, da cultura. Como poeta sinto que minhas palavras ajudam a entender o mundo, e a mim também. Só isso.





POESIA

Sabotage (O Invasor)

Mauro
Era um negro de asas.
Um pássaro
Com os pés no chão.
Som de ébano
Com pele de couro,
O mouro fez ninho no Canão.
O passado,
Que o futuro queria
Escrito em carvão,
Deixou de ser pó
Pra ser pão,
Ao se viciar em poesia.
O poeta
De plumas negras
E voz de pedra
Cravou seu canto
Preto e branco
Nas vidraças
Do mundo colorido.
Filho banto
Em carne e carcaça
Serviu a taça
Com vidro moído
Aos traidores da raça.
Navegante
De mares insolentes
Sua bússola
Apontava sempre para a periferia.
A rima era o rumo
O remo da sina.
No ar,
Como fumaça de fumo
E vermelha retina,
Era frio
Era quente,
Mas nunca banho-maria.
Um dia
Num voo curto
Depois de uma longa metragem
Um disparo sem rosto
Uma bala sem gosto
Calou o personagem.
Diante disso
E sem nos esperar
Desfez o compromisso
Seguiu de viagem
E foi cantar em outro lugar...
Num bom lugar.

SERGIO VAZ

*do livro "Colecionador de pedras" Global Editora

Nenhum comentário:

Postar um comentário